PRÓXIMOS CONCERTOS :


GRUPO CORAL VOX MARIS






Ver Agenda









Follow by Email

8 de julho de 2010

A LINGUAGEM MUSICAL - parte 2


A CAPPELLA

Expressão italiana que significa " no estilo de igreja".  Servia para indicar que uma composição a várias partes era destinada às vozes sem acompanhamento instrumental, ou, se os instrumentos intervinham, deviam seguir as vozes em uníssono ou à oitava, sem haver partes independentes.  Hoje diz-se que uma obra é a cappella quando ela é escrita para várias  vozes sem acompanhamento instrumental, seja qual for o seu estilo ou carácter. (N.R. A ortografia capella, que por vezes é empregada, não é correcta).

ACIDENTES

São sinais de notação musical colocados antes de uma nota no decurso de uma partitura, ou a seguir à clave para modificar a altura das notas colocadas na mesma linha ou no mesmo espaço.  São 5 as espécies de acidentes :
- Sustenido (faz subir a nota meio-tom)
Sustenido
Fá sustenido

 - Bemol (faz descer a nota meio-tom)
Bemol 
Si 
bemol
 - duplo Sustenido (faz subir a nota dois meios-tons)
Duplo sustenido
Duplo sustenido - 2 meios tons
 - Duplo Bemol (faz a nota descer dois meios-tons)
Duplo bemol
Duplo bemol - 2 meios tons
- Bequadro (a nota, anteriormente alterada por um sustenido ou por um bemol, retoma a sua altura normal, ou seja, torna-se natural)
Bequadro

Os acidentes são escritos numa partitura logo a seguir à clave ou no decurso do trecho musical.  No primeiro caso tomam o nome de acidentes fixos e ao seu conjunto dá-se o nome de armadura de clave.  Está é uma característica da tonalidade do trecho.  No segundo caso, tomam o nome de acidentes ocorrentes.   O efeito dos acidentes fixos mantém-se durante toda a composição, até que um acidente contrário o anule.  Os acidentes ocorrentes só produzem efeitos dentro do compasso onde aparecem escritos.


CÂNONE

A mais precisa forma de imitação polifónica. Duas ou mais vozes sobrepõem-se em imitações do mesmo tema, entrando sucessivamente a intervalos de tempo próximos. (para ouvir - Bach, variações Goldberg - as variações cujo número é múltiplo de 3 são cânones; César Franck - final da sonata para piano e violino).                                                                 
                                                                                                                                        










Maestro Rui Vicente Pinto

                                                                                                                                                      ./...

2 comentários:

silvia helena grazina disse...

Obrigada maestro por me fazer recordar coisas a cerca de musica que eu aprendi alguns anos atraz nas minhas aulas de musica na escola, obrigada tambem, por ser quem é e já agora aproveito para desejar a todos os meus colegas umas santas férias, bjs para todos, silvia helena grazina.

Anónimo disse...

Este é um espaço pedagógico muito útil para os elementos do nosso coro e ainda para todos os visitantes que o queiram ler, participar e aprender.
Revela, esta partilha de saberes, uma grande generosidade para com todos e, faz-me sentir que vamos crescendo lado a lado com um grande maestro que sobrevive mesmo em tempos de crise.
A cultura recente-se com a falta de meios quase sempre colocada em última necessidade. Porém, quando o AMOR À ARTE existe, encontra-se sempre um espaço próprio sem necessidade de grandes verbas. Deste modo simples e, com a persistente ajuda da "Verdinha"/soprano que, além de gostar de cantar, trabalha neste blog horas a fio, conseguimos visualizar toda a informação, neste espaço contida, e divulgar o nosso coro " Vox Maris", sabiamente dirigido pelo nosso maestro Rui Vicente Pinto.
Aos dois , BEM HAJAM! Em meu nome e de todos um abraço de profunda gratidão e, as nossas saudações musicais!

f.santos/contralto