PRÓXIMOS CONCERTOS :


GRUPO CORAL VOX MARIS






Ver Agenda









Follow by Email

19 de janeiro de 2012

LINGUAGEM MUSICAL (continuação - parte VI)



Polifonia - Num sentido mais lato, polifonia é a emissão de vários sons de alturas diferentes em simultâneo.  Em música, este termo aplica-se à sobreposição de várias linhas melódicas.  O inverso é a monodia.
Os sécs.XV e XVI são para toda a Europa uma idade prodigiosa da polifonia vocal. de tal forma que ainda hoje se tem o hábito de designar por música polifónica a musica vocal destes dois séculos.  Paralelamente à missa e ao moteto, surgem nesta altura a canção francesa (Janequim e Lassus) e o madrigal - especialidade dos italianos e ingleses.  Só mais tarde, com Bach se atinge o grau de perfeição na execução deste tipo de polifonia.  A reacção imposta pela Reforma, depois do Concílio de Trento, por um lado , e por outro, a glorificação do solista no séc.XVII na ópera e na música instrumental, acabaram com esta fecunda complexidade artística que permitiu à música libertar-se da tutela da poesia e da dança, conferindo-lhe dignidade.


Para ouvir : Josquin Des Près - Missa Pange Língua; Lassua- Lamentações de Job; T.L. Victoria - Missa e Motetos


Tempo :- O tempo, ou andamento, e a velocidade média de execução de uma obra musical.  Em música, o tempo é variável, e encontra-se ligado à qualidade dos interpretes, à sensibilidade do director, às características da sala, às reacções do publico, etc...um mesmo tempo poderá parecer muito rápido ou muito lento consoante estes parâmetros.  Por volta de 1700, M. Praetorius escrevia que "cada um decide por si mesmo ".  A maior parte dos compositores desse tempos não impunha aos interpretes andamentos rigorosos. A reacção humana era o seu padrão de referencia habitual.  Em 1806 o mecânico austríaco Maelzel patenteou a construção do metrónomo.  Beethoven, um dos primeiros, entusiasmou-se com o diabólico aparelho, e anotou as suas indicações metronómicas, ainda que elas, mais tarde, o levassem a duvidar do bom funcionamento do seu aparelho.  Para o primeiro andamento da Nona Sinfonia, ele tinha escrito 108 a120 maelzel, tempo perfeitamente louco, incompatível com a indicação Allegro ma non troppo un poco maestoso : mais tarde optou por 88, o que correspondia a onda a um andamento mais rápido do que o de muitos directores de orquestra.
Os termos italianos esclarecem utilmente o intérprete sobre as intenções do compositor; mas referem-se ao carácter geral do andamento e não podem  constituir uma indicação de tempo. A boa compreensão deste vocabulário é indispensável :
 Adagio - lentamente;
 Allegro - animado;
 Andante - andando, com calma;
 Largo - muito vagarosamente;
 Assai - muito
 Maestoso - Majestoso;
 Mosso - movimentado;
 Moderato - de forma moderada (mais rápido do que Andante, mais lento que  Allegro);
 Presto - rápido
 Vivace - andamento vivo.


Tessitura - Designa o fragmento da escala sonora que melhor convém a uma voz determinada. Não se deve confundir com a extensão total dessa voz.
Soprano - do Dó central até Lá agudo;
Mezzo-soprano - do Lá imediatamente abaixo do Dó central até mi agudo;
Contralto - do Fá imediatamente abaixo do Dó central até Dó agudo;
Tenor - do Mi grave até Sol central;
Barítono - do Dó grave até Mi central;
Baixo - do Sol grave até Dó central.





Maestro Rui Vicente Pinto
                                                                                              para continuar...







Sem comentários: